Crónicas Matinais

[ segunda-feira, junho 30, 2003 ]

 

Agradecimentos e um poema avulso

Agradeço , muito, à minha amiga Tânia, porque ela é que resolve todos os problemas informáticos do blog; e, sem ela, eu não poderia andar nestas andanças porque , tirando o ligar o aparelho, todo o resto da minha actividade informática necessita de "direcção assistida".

Agradeço, muito, aos solteiros e aos casados que acompanham o meu amigo Luís Camilo Alves nesta magnífica aventura blogosférica, pelo link.

Agradeço , muito, ao Francisco José Viegas, porque sempre que leio e releio o inigualável Aviz , penso que é cada vez mais gratificante fazer parte da blogosfera.

Agradeço, muito, ao meu pai e à minha mãe porque, sem eles , eu não existiria ...e se não existisse não podia colocar aqui agora este poema de James Joyce; um poema que ele escreveu, em 1932, por ocasião do aniversário do seu neto Stephen ; e pouco tempo depois do seu pai, Levin, ter morrido.
O Título, em latim, significa : "lo! a boy."

Ecce Puer

Of the dark past
A child is born;
With joy and grief
My heart is torn.

Calm in his cradle
The living lies.
May love and mercy
Unclose his eyes!

Young life is breathed
On the glass;
The world that was not
Comes to pass.

A child is sleeping:
An old man gone.
O, father forsaken,
Forgive your son!




Ana [6/30/2003 05:45:00 da tarde]