Crónicas Matinais

[ terça-feira, julho 08, 2003 ]

 





(...) Deixei a sala com a boca empastada com tanto Seven-up e sacudi o ombro da sentinela quando passei. Podia ter um gesto amigo para alguém. Segui o meu caminho, passando pelo jeep antes de chegar ao meu carro, mas ouvi passos atrás e afastei-me. Poderia ser o capitão que viesse defender a honra da sua pista de patinagem , mas era simplesmente Tin Tin.
Disse-lhes que vinha faire pipi.
-Como está, Tin Tin?
-Muito bem, e o senhor...
-Ça marche.
-Porque não vamos um bocadinho para o seu carro? Eles vão já embora. O inglês está tout-à-fait épuisé.
-Não tenho dúvidas, mas estou cansado. Tenho de ir. Tin Tin, ele portou-se bem contigo?
-Oh! Sim. Gostei dele. Gostei muito dele.
-Porque gostaste tanto?
-Fez-me rir- respondeu ela. Era uma frase que me seria repetida de maneira inquietante e noutras circunstâncias. Numa vida desorganizada, aprendera muitas maneiras de agir, mas nunca a receita do riso. (...)

Ana [7/08/2003 02:48:00 da tarde]