Crónicas Matinais

[ quarta-feira, agosto 20, 2003 ]

 

Ensandeceram, sim.

E Vazio é, de facto, a palavra.


Às vezes, sozinha, tendo-me apenas a mim como companhia, penso em como deve ser confortável não sentir o mundo.
Ver as imagens, ouvir as pessoas, olhar e ouvir e pronto. Sem invocar a condição, a herança, os laços.

Martirizar-me, apenas, com o meu dia-a-dia. Com a conta da luz;a do telefone. Com a má palavra da vizinha do lado que não gosta da minha música. Com o amor que queriamos ter e não temos. Com o BI caducado.Com a casa bonita que vimos mas que não podemos comprar.Com o amigo que prometeu que fazia e não fez. Com a tristeza da minha mãe por eu estar -sempre- longe.
Angustiar-me com o cinzento do dia. Com a chuva que molha-os-tolos. Com a minha pedra nos rins. Com a flacidez que, sei, irá chegar.
Contristar-me comigo e com o que me rodeia. No meu perímetro. Uns dois km , no máximo.

Mas, outras vezes, acho que o conforto é cinzas e nada. É vazio.
Porque um só, que sou eu, não existe. Porque as gotas, separadas no Oceano, não formam nada.
Existem e ocupam espaço. Mais nada.

Mas depois, volto, outra vez, a pensar : deve ser tão quentinho e calmo o conforto...

E a minha alma, minutos depois, revolta-se e diz: a vida não é um sofá!
Grita-me aos ouvidos:-A sofrer, que se sofra pelo Oceano, todo. E, revoltada como só ela consegue, reza para que as outras gotas todas sofram também. Não para se sentir menos só no sofrer; mas porque a minha alma não aceita todos os relativismos.
Porque há factos que não são relativos. Porque ...porque é assim que ela é.
Haja o que houver.

Só que, ressabiada -porque a padecer- a alma, que tem vida própria, que guia o coração e o cérebro, às vezes deixa entrar a escuridão de outro conforto. Alternativo e -quase sempre- perverso.
Vasculha os velhos livros que a formataram. Tira-lhes o pó, abre-os e sussurra: «Lei de Talião, lei do Talião...»

E estremeço.Sobressalto-me...
Não quero ouvi-la, mas ela sussurra...sussurra...

E só sossego porque a conheço; e acredito que ela diz isso da boca para fora.

Ana [8/20/2003 12:59:00 da tarde]