Crónicas Matinais

[ quarta-feira, setembro 03, 2003 ]

 

Olha, o Charles Bukovski, de novo, citado na blogosfera. Vi no Aviz, que refere outros blogs ( que eu também leio sempre).

Não é que me tenham perguntado alguma coisa, é certo, mas, já agora, sempre digo que gosto muito de ler o que escreveu esse bêbado, egocêntrico e genial.
Como nasceu na Alemanha, Bukovski tinha, lá dentro dele, aquelas sementes do mal ( eu sei; mas não resisto.) , mas, nele , isso ate foi bom. Porque ele escreveu como poucos. De uma maneira impudica, grosseira e crua, usando o alter-ego mais brilhante que eu conheço, Hank Chinaski;brincando com as palavras e com aqueles que não admitem brincar com elas. Com quem se leva demasiadamente a sério. Com as "estrelas".

Bukoski/Chinaski foi o perfeito star-fucker; e por isso foi tão amado e, claro, odiado.
Acho graça com os que renegam este escritor, falando da sua suposta ordinarice...
Pois eu gosto dele por isso mesmo. Porque ele queria que toda a gente se fodesse e isso é muito saudável! ;)
Não.
Gosto dele porque sim. Porque escrevia muito, muito bem.

No Pastilhas, conheci um -talvez o maior- dos fãs dele. O Hugo, claro!
Também ele um raro caso de talento; mas, em termos de comportamento, um moderado. ;)

Como citava muito Bukovski :«We are all in the gutter, but some of us are looking at the stars". Citava Oscar Wilde. De acordo.

Eu gosto de desalinhados, na literatura. E não é porque sou, no resto, conservadora, que vou negar que , ainda hoje, me enche de prazer , ler e reler Chinaski.

Acho, aliás, que comecei pelo melhor dele :«You Get So Alone at Times That It Just Makes Sense »; e depois fui aos poemas«Love is a Dog from Hell»; passei pelo «Flower, Fist and Bestial Wail»; deixei-me encantar-sem merdas- com o «Erections, Ejaculations, and General Tales of Ordinary Madness» e terminei ( não li mais nada dele, confesso) com o maravilhoso « Notes Of A Dirty Old Man».
E pronto, fiquei fã. E fiquei fã na altura certa e no lugar certo.
Era suficientemente jovem para não me chocar, e vivia em Nova Iorque.

Além disso, gosto daquele favor que Hank Chinaski pede à morte:
« Well, I gave you so many occasions that you'd take me away a lot of time ago. I´d love to be buried near the race-course, so I can hear the rush on the finishing straight ...forever.»

Tinha muita pinta o Bukovski. E olhem que quem diz isto é uma rapariga abstémia.
Até amanhã!

Ana [9/03/2003 12:34:00 da tarde]