Crónicas Matinais

[ quinta-feira, outubro 02, 2003 ]

 

Pois foi.
O meu F.C.P. perdeu com o "salsa e merengue".Telenovela previsível.Mas ainda sonhei, o que não foi nada mau. Paciência. Lá teremos de esmagar os franceses...
E, como se sabe, até ao lavar dos cestos é vindima; pelo que os que começarem já a arrotar postas de pescada-os anti-fcp- podem ter a certeza que é pela boca que morre o peixe. É deixá-los poisar...

Entretanto, deixo aqui uma bom naco de prosa. Não é que venha a propósito, mas apetece-me.( E porque encontrei, num bolso da minha gabardina menos usada, um pequeno livro.)

« Se tivesse de recomeçar a vida, recomeçava-a com os mesmos erros e paixões. Não me arrependo, nunca me arrependi. Perdia outras tantas horas diante do que é eterno, embebido ainda neste sonho puído. Não me habituo:não posso ver uma árvore sem espanto, e acabo desconhecendo a vida e titubeando como comecei a vida. Ignoro tudo, acho tudo esplêndido , até as coisas vulgares: extraio ternura de uma pedra.Não sei - nem me importo- se creio na imortalidade da alma, mas no fundo do meu ser agradeço a Deus ter-me deixado assistir um momento a este espectáculo desabalado da vida. Isso me basta.Isso me enche: levo-o para a cova, para remoer durante séculos e séculos , até ao juízo final.
Nunca fui homem de acção e ainda bem para mim: tive mais horas perdidas...Fugi sempre dos fantasmas agitados, que me metem medo. Os homens que mais me interessam na existência foram outros: foram, por exemplo, D.João da Câmara, poeta e santo, Correia de Oliveira, um chapéu alto e nervos, nascido para cantar, Columbano e a sua arte exclusiva, e alguns desgraçados que mal sabiam exprimir-se. Conheci muitos ignorados e felizes.Meio doidos e atónitos. O Nápoles ainda hoje dorme sobre a mesma rima de jornais?...Outro andava roto e dava tudo aos pobres. O homem é tanto melhor quanto maior quinhão de sonho lhe couber em sorte. De dor também.

A que se reduz afinal a vida? A um momento de ternura e mais nada...(...)»

[ " Se Tivesse de Recomeçar a Vida"; Brandão, Raul;brevíssima portuguesa; 1995 ]

Ana [10/02/2003 09:52:00 da manhã]