Crónicas Matinais

[ segunda-feira, novembro 24, 2003 ]

 

Pois é. Eu tive a mesma reacção - de dúvida - que o Francisco José Viegas. Falo da "sugestão" do rabinato de Paris ,de desaconselhar o uso de Kippah na rua, em França.
Li essa notícia nos vários jornais franceses e li-a também no Rua da Judiaria . Mas tenho também a visão do Nuno sobre o assunto.
Contraditório? Nem por isso.

Eu vivo em Paris. Conheço bem o rabinato local. Mas mais importante que isso, muito, mas muito mais importante, é o facto de assistir -cada vez mais- a esses actos locais de anti-semitismo. Ainda a semana passada, no comboio, vinham dois senhores com o Kippah, a ler muito sossegados, e um grupo de marginais começou a insultá-los. Um deles cuspiu mesmo ao mais novo dos dois. Eles não abriram a boca. Nem eu.Não vale a pena, isto é diário. Em todos os comboios.Em qualquer lado.
Perante a indiferença dos restantes passageiros. Ficaram eles, e eu, com os olhos húmidos. Senti-me muito cobarde, mas acho que não sou. Nem eu nem aqueles meus dois irmãos judeus. Apenas realistas.

Mais casos:
- No dia em que o Liceu judaico foi incendiado ( no outro Sábado ) , aqui nos arredores de Paris , um conhecido meu foi agredido -também com insultos e cuspidelas- à saída de uma Sinagoga. Também é muito comum, quase diário. Aliás, há uma espécie de milicias, que se colocam nas imediações das várias Sinagogas locais, para insultar e cuspir ( às vezes batem , mas é mais cuspir e insultar ) quem de lá sai e quem para lá entra.

- No dia 17 deste mês, na capa de um pequeno jornal que é distribuído gratuitamente nos comboios, o " 20 Minutes" , estava uma Estrela de David. Porque o destaque era a reunião de Chirac com o rabinato local, devido ao incêndio do tal Liceu israelita. Vi uns anormais ( não tão novos como isso ) a incendiarem exemplares desse jornal. Vi-o em dois sítios diferentes.

- Em Setembro, durante Rosh Hashanah, escreveram na minha caixa do correio : « puta judia ». Nas caixas de correio de vários vizinhos meus, também. No ano passado tinham "só" desenhado uma caveira...

-Em Outubro, durante um debate em que participei , um debate sobre terrorismo, uma das organizadoras pediu-me para eu esconder a Estrela de David que tenho no meu colar. Uma Estrela de David que me acompanha desde sempre e que uso com a naturalidade de quem usa a própria pele.

Enfim, posso dar tantos exemplos, mas tantos...
Mas nada disto é novidade. É apenas a realidade.
Mas, claro, eu sei que muita gente pensa logo na "vitimização"[ odeio toda e qualquer pessoa que utiliza esse argumento vil contra os judeus, para "descansar" a sua "consciência", porque esse é o argumento de quem não quer ver; de quem olha para o outro lado ]. Eu sei que é mais confortável não levantar ondas. Talvez até mais sensato. Mas, que há perigo e ele é muito real, lá isso...
E será que essa intimidação não é legítima?

Se por uma lado a minha consciência me diz que nunca, mas nunca, posso deixar de usar a minha Estrela de David , por outro sei o que significa, por exemplo, apanhar a linha 13 do metro de Paris, com o Kippah.
É que volta todo o medo que a maioria das pessoas pensa que já só se vê nos filmes. O suor frio. A boca a saber a papeis velhos de tão seca que fica. Não sei explicar melhor. Não sei...





Ana [11/24/2003 04:21:00 da tarde]