Crónicas Matinais

[ quarta-feira, fevereiro 11, 2004 ]

 

Foi Theodor W. Adorno [ um brilhante filósofo alemão ,de origem judaica - e que, infelizmente, é pouco conhecido, mas quem aprecia Popper, Heidegger ou Habermas ( Habermass foi aluno e assistente de Adorno) já deve ter ouvido falar; um homem fascinante de quem , infelizmente , agora não tenho nem tempo, nem pachorra, para falar ] quem disse que: depois de Auschwitz não poderia haver mais poesia.
Tinha toda a razão. Mas, no entanto, enganou-se. Enquanto houver seres humanos a poesia não acaba.Não pode.
De maneira que , como tudo isto ( a vida e assim ) é uma pescadinha de rabo-na-boca, qual cão de Pavlov, recebi com muito agrado o desafio gostoso desde blog -3tesas não pagam dívidas- de traduzir Larkin. Ainda por cima um dos meus poemas preferidos de Larkin: o «Aubade»!
Ora, senti essa missão como minha por duas razões e meia : primeiro «Aubade»significa algo como " Serenata matinal"; depois porque sou Larkiana, o que é bonito porque é Larki(n) + Ana; e o meu blog até se chama « Crónicas Matinais» Aproveito também esta oportunidade que me dão-obrigadinha!-para informar o seguinte: o dizer «Bom dia!» nos blogs começou comigo. Ah pois! Tenho provas documentais , o arquivo cá da chafarica, ou cuidais que só os rapazes do Boavista e o Sôr Pôncio é que são detentores de provas manuscritas, fotocopiadas ou outras? Bem...dai graças por eu ter um ordenado razoável e não me pôr para aqui a pedir royalties...
Portanto: a palavra matinal atravessa isto tudo e, vai daí, lembrei-me também do « Morning Song» de Sylvia Plath. Dá-se o caso de sempre que vou buscar a poesia de Plath para consolar a alma, me lembro de Marianne Moore ...daí o «Poetry».
Lá está: pescadinha de rabo-na-boca.Pronto. Está tudo explicado.
Entretanto, e quanto a Larkin, já traduzi o título ,agora só me falta ...o resto! Darei notícias!
[ o que, sinceramente,é uma prova do meu altruísmo; porque geralmente, e no que a notícias diz respeito...costumo vendê-las! ]


Ana [2/11/2004 11:20:00 da manhã]