Crónicas Matinais

[ terça-feira, fevereiro 24, 2004 ]

 

Pois é, Nuno, o nosso Purim é carnavalesco. Eu diria mesmo que foi aí que começou tudo.Enfim...
Divirtam-se todos muito ,que eu, confesso, não gosto de carnavais e , ainda por cima, sou abstémia! :) Não bebo.

Mas sou muito amiga de rir.
Ainda ontem, entre uma entrevista a um prémio Nobel e uma sanduiche de pepino, me fartei de rir. Estava na cantina cá da chafarica, a ler umas patetices num jornal cá do burgo; um texto cheio de acusações gratuitas e facilmente rebatíveis por quem anda de olhos abertos ( era sobre o muro ...), quando ao meu lado se alaparam dois coleguinhas. Um deles patrício.
-Que tás a ler? -pergunta-me ele.
Ora, só este "tás" deu-me logo ali a volta à barriga ; custa alguma coisa utilizar os verbos como deve ser ?
-O jornal... -respondo eu.
-Isso tou eu a ver, mas que notícia?
( E ele a dar-lhe com o tou! )
-Não estou a ler notícia nenhuma; este jornal não escreve notícias, só opiniões...
-Lá estás tu a cascar no "Liberation"...
-Não é cascar. Digo a verdade.
-Aposto que estão a dizer mal de Israel ( riso trocista)...
-(silêncio)
-Ana..diz lá o que é que eles dizem.
-Pega no jornal e já ficas a saber.
-Mau feitio...
-Deixa-me ler em paz. Pira-te.
-Não precisas de ficar assim; diz lá...
-Lá...
-Tu não sabes conversar!
-Quem disse que quero conversar? Estou a ler. São duas acções incompatíveis.
-(suspiro) Ana...eu, eu queria ...
-Querias o quê? Diz rápido que quero continuar a ler, já te disse.
-Por causa de Sexta-feira.
-O que é que há Sexta-feira?
-Eu entro de madrugada e não me dá jeito nenhum...
-E queres fazer o quê? trocar de turno?
-Sim...achas que dá ?
-Sei lá! Tens de perguntar a quem trabalha contigo.
-Eu sei mas, tu tens de autorizar...
-Pois é.
-E então?
-Então o quê?
-Bolas, Ana, se alguém trocar comigo autorizas?
-Depende...
-Depende? depende de quê?
-De me deixares continuar a ler...
-A ler? Tipo ...agora?
-Tipo agora.Exactamente.
-Eu deixo! Eu deixo!
-Olha lá ..e foi por isso que vieste ter comigo?
-Er...foi mais ou menos...
-Hum...ok...e, olha lá, é mesmo muito importante trocares de turno?
-É! Uma amiga minha faz anos e eu, bem, sabes como é ( sorriso matreiro)...
-Sei; sei como é. Mas, não é que isso condicione seja o que for, mas não me voltes a mandar a piadinha do Israel , ok?
-Claro. Eu estava a brincar ! Eu até acho que eles fazem muito bem , tu sabes o que eu penso...
-Pois...
-Eu até admiro muito os judeus , tu sabes!...
-Não me estás a deixar ler...
-Oh, desculpa, é que queria que soubesses que estava a brincar , eu, eu admiro muito os...
-Carlos...se não me deixas em paz , agora, não há trocas nem baldrocas...
-Sim, oh...já vou, desculpa, até logo...
- Adeusinho...
-Depois mando-te o papel para assinares, ok? obrigado!...
-Começo a achar que não vale a pena...
-Já vou! Já vou!...Té logo
-Espera. Há mais uma condição -inegociável : utilizas o verbo estar e não dizes tou ; e dizes até logo e não té logo...boa?
-Oh...chiça, tu és...
-Sou o quê?
-Nada, não é isso...
-Sou...nada???
-Não! És uma chefe porreira e eu vou-me embora agorinha mesmo , está bem?
-( sorrindo ) Muito bem!
-Er...mas és um bocadinho déspota e chantagista! ( fugindo em passo de corrida )...
-Ah...ah...ah... pois sou! Nunca te esqueças!

E depois fiquei ali dez minutos a rir ;e acabei por deitar o jornal ao lixo.


E agora dou as boas vindas à Azul!
E mando um beijinho ao Carlos Martins Soares que mudou de endereço!

Ana [2/24/2004 11:09:00 da manhã]