Crónicas Matinais

[ sexta-feira, abril 02, 2004 ]

 

Reportagem TVI da entrega dos Bloscares-excerto

[ Ana sobe ao palco choramingando , com o seu grande decote e de cigarro na mão ! ( ainda bem que a cerimónia não se realizou na Irlanda!) ]

Disse : « Óhh meu D-us! Óhh meu D-us! » ( soluçando e rindo ; funga; engasga-se com o fumo; soluça e ri ...)

«Thank you! Muito obrigada! Ai ! ( suspira profundamente e limpa as lágrimas. Arranja o decote e ajeita o microfone: )
Eu, eu nem sei o que dizer. Não mereço. ( soluçando e rindo )
Obrigada a todos ( abrindo os braços abarcando a sala inteira )! É tão inesperado...não contava...nunca pensei. ( soluçando e rindo).
Antes de mais, gostaria de dizer que todas as minhas colegas nomeadas...( alguém na sala grita: «colegas são as putas, pá!» mas Ana Albergaria não se deixa distrair) mereciam o prémio. Aliás, os prémios, já que ganhei três, dois dos grandes e um dos mais "piquenos". Elas também mereciam. Elas são fundamentais para mim. ( apontanto para a jaula, digo, para a fila, onde as restantes nomeadas se encontravam quase perfeitas. O público aplaude em delírio, comovido pelo desportivismo e generosidade da vencedora...)
Se não fossem elas...eu nunca teria vencido! ( BRAVO! ouve-se por toda a sala.)
Quero agradecer estes prémios ( Bloscar elas na mão esquerda ; a direita ostentando o Anel de Prata e o cigarro e o mais "piqueno" entalado no decote ) que aqui tenho , que me deram nesta noite mágica e magnífica, à Academia; e a todos aqueles que sempre me apoiaram ; que me incentivam e que gostam de mim ! ( chora copiosamente; depois soluça...e volta a rir )
Quero também agradecer a todos os escritores, locutores de programas de discos pedidos, homens e mulheres bomba, terroristas em geral, elementos do BE, racistas e quejandos, governos de países desenvolvidos ou em vias de, realizadores de filmes, aos próprios filmes, músicos e músicas, companheiros de blogosfera, à morfina e ao Clonix, porque foi tudo isto que me motivou a escrever e que, consequentemente, me colocou em cima deste palco. ( Bravo! Bravo! ouviu-se por toda a sala )
Quero também agradecer aos meus pais - que me deram a vida -( choro fremente ) , aos meus irmãos e aos meus amigos. Incluindo algumas mulheres e...finalmente...a D-us!
«Adeus! Adeus!» ( Começou a assistência a dizer em pranto, triste pela despedida, com certeza!)
«Não estão a perceber, grita Ana Albergaria ! Eu estou mesmo é a dizer : A D-us! »
Adeus! Até pró ano, grita a assistência em histeria colectiva , convencida que, pró ano, o desfecho será igual.
«Seus lapões! Gritou Ana Albergaria aos 4 rapazes que já a tentavam retirar do palco- com alguma força!- insistindo na palermice: «o seu tempo acabou, faça o favor de se retirar que a cerimónia tem de continuar, minha senhora; a seguir é a parte mais importantes; a parte dos homens.»
«Paneleiros»! grita Ana Albergaria, pouco importada com a escandaleira, e insistindo que ainda não tinha acabado os seus agradecimentos!
«Porra, chiça, merda!» diz Ana Albergaria, já algo descomposta , mas sem medo de emporcalhar o vestido -belíssimo diga-se!- «Eu ainda não acabei a merda do discurso de agradecimento, e naqui não saio, daqui ninguém me tira!»
Um dos lapões que a segura , desata a falar pró ualquitóqui a pedir instruções ao chefe da segurança; um homem um bocadinho marreco, que se encontrava no lado esquerdo da sala a esfurancar as narinas e envolvido em caricias cúpidas com uma das perdedoras - não digo qual delas, por pudor- que, entretanto, se tinha refugiado no cantinho da esquerda, o cantinho escuro, procurando atenção, pois um carinho...quiçá mesmo algum amor.
O segurança marreco dirige-se ao palco, testa perlada de suores frios, com medo de melindrar ainda mais a já algo melindrada e injustiçada vencedora , não só do melhor Blog feminino, mas também do Anel de Prata e, não despiciendo, do Prémio J-sus.
Ana Albergaria, já cansada da inesperada bambochata, soergueu o marreco pelas abas do paletó, pouco faltou para que as esfarrapasse!, e disse-lhe: « O cavalheiro nem se atreva a pôr-me as patas em cima, porque se não racho-lhe já a cabeça com este bloscar!»
Nesse preciso momento as luzes apagaram-se , uma música ( creio que o " zzz sou uma abelha" do Clemente ) começou a tocar e anunciou-se o Bloscar Masculino.
Os ânimos, da vencedora e da pandilha da segurança, serenam e todos abandonaram o palco. Nos bastidores , e graças à sua faiscante inteligência , Ana Albergaria resolve que o melhor é pirar-se. Boa decisão pois daí a segundos era chamado ao palco... o Diabo! [ ;) ]

Já em casa Ana Albergaria deitou-se e dormiu o sono dos justos. Dos vencedores.

[ Beijinhos a todos e Obrigada, mais uma vez, ao Miguel. O que é preciso é mesmo boa disposição e imaginação.
Parabéns as todos os vencedores e vencedoras, entre elas as minhas amigas Charlotte ( que hoje faz um aninho de blogosfera: Viva! ) e Papoila. ]

Ana [4/02/2004 12:53:00 da tarde]