Crónicas Matinais

[ terça-feira, junho 22, 2004 ]

 

Da Ironia

Morreu Leonel Brizola.
Mas não é sobre isso que quero falar porque, infelizmente, só sei dele o que todos sabem: foi polémico, socialista, anti-fascista, governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro ... e criou o sambódromo.

Pois. Vou falar da bola.Outra vez.
Na minha rua, sou conhecida (também) por, apesar de não ter bigode e não ter ar , nem de camionista, nem de sapatão, gostar muito de futebol. Enfim, como à mulher de César...para além de não ter ar, não sou nada disso, claro.
Sou antes uma bem disposta com mau feitio, que gosta da bola portanto.

[ Da não Ironia:dito isto, acrescento que uma das minhas maiores lutas é fazer perceber aos cidadãos que me rodeiam que é uma palermice a forma como reagem contra as emoções do futebol. E se alguém quiser comparar o QI ou diplomas e outras supostas medições de erudição estou às ordens, camaradas .]

Por exemplo: Portugal dá dois secos à Rússia, e logo depois bate a Espanha , nossa «eterna rival», por 1 a zero.
A malta vai toda para a rua; desfralda ainda mais bandeiras e fica feliz...ruidosamente.
Vêm logo as alminhas «sensatas e sensíveis» acalmar-nos, a nós « pobres de espírito» , para nos dizer o óbvio:
« Ó gente , ó povo, ó simples , o país não é só a bola; marcar golos e ganhar não nos dá melhores escolas, nem mais médicos ; não melhora as estradas nem faz subir os salários; nem nos transforma num país mais desenvolvido; etc. »

Obrigadinha, pá! Digo eu, mais outros simples como eu ? obrigadinha por nos fazerem ver a luz!
Eu que cuidava que , ganhando a nossa selecção, ou o meu FCP, já não tinha de pagar a prestação da casa , pá!
Eu que cuidava que já não seria necessário economizar, porque me seria creditado na conta bancária uma parte dos ganhos da selecção, ou do clube, por via da vitória.
Eu que cuidava que , passando aos quartos-de-final do Euro, ou tendo o Campeão Europeu, Portugal ultrapassaria todos os outros países da UE --que digo eu? do Mundo!?em termos de credibilidade e desenvolvimento.

Estava uma pessoa tão contente e depois pronto. Abrem-se os jornais e os blogs e fica-se a saber que afinal não. Que afinal nós, os simples, não vamos tirar dividendos dos feitos. É muito triste, pá.

Obrigadinha , ó homens avisados. Entristecem-nos mas abrem-nos os olhinhos turvados pela alegria bacoca e inútil.
Mas eu aprendo depressa, ó mestres!
Na quinta feira, em vez de pedir como prenda de aniversário a vitória , quando jogarmos contra os ingleses, vou rezar pela derrota.
Afinal não se ganha nada com isso...certo? Agora vou escrever a lição no quadro preto.



Haja paciência!...

















Ana [6/22/2004 11:10:00 da manhã]