Crónicas Matinais

[ segunda-feira, fevereiro 28, 2005 ]

 

Da Liberdade de Expressão

Há um filho da puta em França que coloca , mais uma vez, o anti-semitismo na actualidade .
É um alienado que se julga - ainda - humorista. Dá pelo ( infeliz ) nome de Dieudonné.
Reconheço que antes de ter perdido o cérebro tinha algum talento.
Durante anos fez dupla com um outro humorista francês , por acaso judeu, e tudo corria bem.
Mas, desde há uns largos meses, este atrasado mental tem feito ,declarações atrás de declarações, anti-semitas.
Sim, ele acredita que há um complot mundial judaico para dominar o mundo ; mais: ele afirma que os judeus são os responsáveis pela "introdução" da Sida em África.
Diz , a cada passo e com convicção, que os judeus contaminaram - propositadamente- os africanos com HIV. ( Pausa para respirar...)
O caso é muito grave. Não só pelo que ele diz contra os judeus, mas porque ele justifica tudo o que diz e faz com outra luta.
Ele condena e denuncia a escravatura e todos os crimes cometidos contra os negros.
E é grave porque a luta em defesa dos direitos dos negros é demasiado importante e justa para ser misturada com anti-semitismo primário.
Mas em vez de defender essa causa justa com seriedade, ele aposta o dedo, apenas e só, aos judeus.
Ele acha que os judeus , pura e simplesmente, não deviam estar vivos. E, sim, ele nega o holocausto, porque diz que tudo é empolado. A última gracinha, foi repetir que o holocausto é pura memória pornográfica.
Quem quiser mais pormenores pode fazer uma pesquisa na net para saber mais sobre este filho da puta.
Pergunto:
Como é? Dá-se-lhe tempo de antena? Defende-se a todo o custo a liberdade de expressão?
É que aqui, em França, mais do que o anti-semitismo explícito de Dieudonné, a discussão gira em torno da liberdade de expressão vs censura.
Quando ele começou , há uns meses, nos seus espectáculos, a vestir-se de rabino e a fazer a saudação nazi, muita gente se riu. Era a "liberdade de expressão" . Porque, à primeira vista, tudo é permitido aos humoristas.
Muitos lembraram, na altura, que muita gente compara Sharon a hitler e que, por isso, era apenas humor recorrente.
Mas depois, quando ele se aliou a um movimento político de extrema esquerda , neo-nazi, que nega o holocausto e insite na velha teoria do complot dos Sábios do Sião , e começou a justificar todos os males do mundo com a presença dos judeus na terra, muitos dos seus amigos começaram a ficar de pé atrás. Mas, claro, sempre a desculpá-lo porque , afinal de contas, ele é um humorista e não pode ser censurado.
Agora, a coisa é ligeiramente diferente. Todos ( pelo menos em público ) condenam as declarações anti-semitas do cidadão, mas continuam a achar que ele não pode ser censurado. Que, como artista, tem de ter espaço para se exprimir.
E é sobre isto que gostava de "ouvir" a vossa opinião. A opinião de quem me lê.
Vale tudo em nome da chamada liberdade de expressão?
[Eu, aviso já, acho que não vale. Que é preciso afastar toda e qualquer voz que, usando a faceta artística como desculpa, destila ódios raciais e ideia xenófobas, anti-semitas ou islamofóbicas. ]
Sensibiliza-me muito que os movimentos pela igualdade, especialmente os formados por africanos , se demarquem do filho da puta e o condenem sem apelo nem agravo.
Esses movimentos dizem que é muito perigoso afirmar em público- até na televisão o fez- que os judeus levaram a Sida para África de propósito. Que o objectivo dos judeus é acabar com os negros e com os muçulmanos para poderem dominar o mundo.
É isto que ele diz quando se apresenta em público. Usa o humor como desculpa para destilar ódio. Mais: ele não afirma estas coisas apenas como artista. Não.
Ele faz parte de um movimento político, que concorre a eleições. Ele próprio foi candidato,nas eleições europeias, pelo movimento de amizade França-Palestina.
Ele faz estas declarações perante dezenas de jovens ávidos de violência , cheios de ódio, em acções de "esclarecimento" frequentes. E depois, nos seus espectáculos, já como artista, repete tudo.

Como é? Deve dar-se a palavra a Dieudonné?
Respondam-se se fizerem favor. Se o assunto vos parecer importante, claro. Longe de mim fazer-vos perder tempo com fait-divers...

Ana [2/28/2005 12:30:00 da tarde]