Crónicas Matinais

[ segunda-feira, fevereiro 21, 2005 ]

 

Então e o povo não saiu à rua porquê?

Perdi, pá. Pronto.É a vida.
Parabéns aos vencedores : o PS e o BE.
Sim, sim. Eu admito. Há mais de 360 mil almas que acreditam no pai natal e nas renas . No coelhinho da páscoa. Em gulags.
Mas o PS é duplo vencedor: maioria absoluta e não precisa dos extremistas do bloco para nada!
Apesar de tudo há algo de ternurento nestes resultados. Quando o país dança o vira , i.e., ora vira "à esquerda", ora vira "à direita" ( diz-nos a história que será, no mínimo, daqui a 4 anos ) , ficamos a conhecer pormenores - fundamentais - sobre o novo futuro Primeiro Ministro.
Esta manhã travei conhecimento ( via TSF )com alguns colegas de carteira de José Sócrates. Com vizinhos da terra natal. Enternecedor.
«Então e como é que ele era quando era mais novo?»
«Ora bem, era um rapaz calmo , mas muito amigo de brincar.»
«Era um rapaz normal.»

Fico muito mais tranquila. A sério.
Se ele era - provavelmente continua a ser - um rapaz normal, então não há que temer.
Digo mais: um homem que com esta idade ainda tem colegas de carteira que dizem bem dele só pode ser mesmo boa pessoa.
Eu, por exemplo, não arranjo ninguém que se tivesse sentado ao meu lado na carteira da escola que ainda diga bem de mim. Pior: que se lembre sequer de mim.
Enfim.

O PS é, de facto, o grande vencedor. Mas sabemos que os socialistas obtiveram a sua primeira maioria absoluta não só por mérito próprio, mas - especialmente - por demérito do adversário. É um facto. E não tem mal nenhum. Como é que se costuma dizer? Com o mal dos outros vivo eu bem. E está certo.

Não temo nenhuma verdadeira hecatombe , claro. Daqui a um mês , Sócrates vai fazer o que puder; vai dar o seu melhor. Também está certo. Justamente por isso é que sei que Portugal não vai "andar para trás". Não.
Portugal vai ficar exactamente na mesma. Tal como está agora.
Nada de mudanças drásticas ou radicais ; não vá o eleitorado sair para a rua e isso é uma chatice. O próximo que se amanhe.
Diálogo e tranquilidade. Não resolve nada, mas é uma questão de hábito.

Outra coisa : Eu sou PSD. Fico triste com a queda livre, mas sabia que seria assim. Péssimo resultado para todos. Para o partido. Para o país.
Mas o povo é que sabe e em democracia é preciso aceitar a derrota e dar o braço a torcer.
Dou o braço a torcer. Sem ambiguidades ou hipocrisias.
O que não posso é esquecer que este resultado desastoso não se deve ao PS mas ao próprio PSD. Tipos como Marcelo Rebelo de Sousa , e outros mediáticos , não me merecem qualquer respeito. Aceito a derrota sem merdas, mas nunca aceitarei traições e filhasdaputice.
Mas isso sou eu, claro.

Agora: Também acho que Santana Lopes deveria ter apresentado a sua demissão. Por uma questão de coerência. Há regras de bom senso político que se devem respeitar. Não foi o caso.
Por isso tiro daqui o meu chapéu a Paulo Portas.
Mesmo que decida , mais tarde, voltar a candidatar-se à liderança do CDS/PP , fez , na hora certa, o que se impunha. Assumiu a derrota e demitiu-se. Seriedade e bom senso merecem sempre respeito.
Paulo Portas foi, nesta noite eleitoral - para mim de má memória - um vencedor. Porque mais vale quebrar que vergar.

E pronto. Está quase tudo dito.
O PS ganhou e espero que governe, se não bem, pelo menos menos mal. E que saiba estar à altura para calar o beato Louçã . Sim, o eterno inimigo de qualquer governo, seja ele de que quadrante político for.
É tão fácil : quando se faz parte de um partidozeco de quinta categoria ( ficou em quinto, não esquecer ) a demagogia é o único caminho.Demagogia, dedinho em riste e modo de vida higiénico e com "moral".
Se Sócrates conseguir toureá-lo em termos, tem aqui na minha pessoa uma adversária amiga. Não abrirei a boca para o criticar por tudo e por nada. Farei uma oposição construtiva . QB.

E sei que com esta minha tomada de posição pública, Sócrates está muito mais aliviado! ;))

Ana [2/21/2005 11:18:00 da manhã]